POLÍCIA CIVIL DO AMAPÁ INVESTIGA INTEGRANTE DE ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA FORAGIDO E EFETUA SUA PRISÃO JUNTAMENTE COM A POLÍCIA CIVIL DE GOIÂNIA

POLÍCIA CIVIL DO AMAPÁ INVESTIGA INTEGRANTE DE ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA FORAGIDO E EFETUA SUA PRISÃO JUNTAMENTE COM A POLÍCIA CIVIL DE GOIÂNIAA Equipe da Captura da Polícia Civil do Amapá esteve à frente das investigações e conseguiu localizar o foragido, que estava em Goiânia.Por: Assessoria de Comunicação

 Foto: Polícia Civil do Amapá / Polícia Civil de GoiâniaGecivaldo Da Silva Teixeira estava foragido.

Na tarde desta segunda-feira, 28, Policiais Civis do Grupo Antirroubo a Banco e da Delegacia Estadual de Capturas de Goiânia – GO cumpriram três mandados de prisão, expedidos pelo Judiciário do Amapá, em desfavor do paraense Gecivaldo Da Silva Teixeira, que encontrava-se foragido do IAPEN.

Gecivaldo é apontado como uma das lideranças de uma facção criminosa no Estado do Pará e faz parte de uma quadrilha especializada em roubo a instituições financeiras, na modalidade vulgarmente conhecida como “novo cangaço”, com atuações no norte do país.

A localização e a prisão do foragido foi um resultado do trabalho de investigação realizado pela Equipe da Captura da Polícia Civil de Macapá. De posse dos mandados de prisão pela prática dos crimes de roubo e associação criminosa, os policiais descobriram que Gecivaldo estava se escondendo em Goiânia, juntamente com outro membro do PCC conhecido como “Metralha”, articulando roubos a bancos com uma associação criminosa da cidade.

A Equipe da Captura levantou a informação de que a esposa e a filha de Gecivaldo, que moram em Macapá, iriam embarcar em um vôo da azul para encontrar com o foragido em Goiânia, onde estaria esperando por elas no aeroporto.

Após essas investigações, a Equipe da Captura da Polícia Civil do Amapá entrou em contato com a divisão da Captura da Polícia Civil de Goiânia – GO e repassou as coordenadas, o que culminou com a prisão do foragido.

No momento da prisão, os policiais civis de Goiânia identificaram que o foragido usava um documento de identidade falso, tendo sido autuado em flagrante pelo crime de uso de documento público falso (Art. 304, do Código Penal).

Marco Antônio Andrade Ruas, conhecido como “Metralha”, também foi preso junto com Gecivaldo, mas foi liberado por não haver mandado de prisão contra ele. Metralha que também é natural do Pará, é o 01 do PCC no Pará e já foi preso em 2008 pela Polícia Federal por tráfico internacional de drogas. No mês de novembro do ano passado foi posto em liberdade, mas a Polícia segue investigando-o.

A Polícia Civil do Amapá irá recambiar o preso para o IAPEN, onde cumprirá as penas determinadas pelo Judiciário Amapaense pelos crimes que praticou.IMAGENS RELACIONADAS

About the author

Related

WhatsApp chat