Academia Amapaense de Letras ganhará sede para desempenhar atividades no Estado

0
18
Academia Amapaense de Letras ganhará sede para desempenhar atividades no Estad
O governador Waldez Góes recebeu os representantes da instituição neste sábado, 24, e encaminhou as demandas solicitadas.
Por: Henrique Borges
Foto: Marcio Pinheiro/Secom
As reivindicações tiveram respostas imediatas durante encontro no Palácio do Setentrião
O governador Waldez Góes, recebeu representantes da Academia Amapaense de Letras (AAL), neste sábado, 24, no Palácio do Setentrião, para tratar sobre as atividades da instituição no Amapá. Logo no início da reunião, o governador ressaltou a importância da AAL para a sociedade.
“É de extrema importância para a sociedade que essa instituição desempenhe as atividades com eficiência. O Estado deve sempre dar total apoio e incentivo para a educação e cultura”, enalteceu o governador.
Fundada há 64 anos, a Academia de Letras não possui sede no Amapá. As reuniões são realizadas, mensalmente, no auditório da Biblioteca Pública Elcy Lacerda, onde os 22 membros discutem a respeito dos projetos literários amapaenses.
A falta da sede própria foi uma das reivindicações colocadas em pauta. O presidente da AAL, professor Nilson Montoril, afirma que está satisfeito com a resposta rápida do Governo do Estado do Amapá (GEA). “A nossa reunião com o governador foi extremamente positiva, nossas reivindicações estão todas agendadas. Na segunda-feira, teremos uma agenda com a Secretaria de Administração para tratar sobre o imóvel que vai abrigar a Academia”, adiantou Montoril.
Ainda durante a reunião, o governador entrou em contato com a Secretaria de Estado da Cultura (Secult), para tratar a respeito de uma emenda do deputado federal Cabuçu, no valor de R$ 5 milhões, que atende diversos segmentos, inclusive a literatura amapaense.
O presidente Nilson Montoril fez o convite para o secretário de Estado da Cultura, Dilson Borges, estar presente na próxima reunião da AAL, que acontecerá no dia 3 de abril. “Na próxima reunião, teremos a presença do secretário de Cultura. Pois, dos R$ 5 milhões da emenda do deputado Cabuçu, R$ 400 mil serão para obras literárias e a Academia de Letras tem muito interesse em concorrer o edital”, afirma Montoril.
Academia Amapaense de Letras
A AAL foi fundada em 21 de junho de 1953, data de nascimento de Machado de Assis, patrono da Academia Brasileira de Letras. Porém, ficou em letargia até 1988, por falta de membros. A academia deveria ter, originalmente, 40 integrantes. No entanto, 12 já faleceram. Recentemente foi realizado um concurso público, onde 12 novos integrantes foram aprovados. De acordo com o presidente da Academia, neste ano ainda será feito mais um concurso para o preenchimento das demais vagas.
GALERIA DE FOTOS