Ausência de laudo pericial provoca adiamento de julgamento do caso Clodoaldo para 19 de julho

0
24

casocloadi 2casocloadi 11casocloadi 6casocloadin13

Sob a presidência do juiz Luiz Nazareno Hausseler, titular da Vara do Tribunal de Júri da Comarca de Macapá, o julgamento dos acusados do assassinato do agente penitenciário Clodoaldo Brito Pantoja foi adiado para o dia 19 de julho de 2018. O motivo do adiamento foi o não atendimento, por parte da Polícia Técnico Científica do Amapá (POLITEC), de pedido de laudo de uma terceira arma, não apreciada anteriormente como prova.

“O julgamento precisou ser adiado para evitar o cerceamento da defesa, além de prejudicar o juízo do Conselho de Sentença, que teria que julgar o caso sem todos os elementos, o que eventualmente ensejaria um futuro pedido de nulidade”, explicou o magistrado.

Segundo o Ministério Público do Estado, representado na audiência pelo Promotor Eli Pinheiro, os acusados pelo homicídio são Ismael Carlos Landes (já absolvido no primeiro julgamento), Luis Carlos Silva Teixeira (preso em Belém), Wagner João Oliveira Melônio (preso em Porto Velho) e Wesley Alves da Silva (que responde em liberdade). De acordo com as investigações, a vítima teria sido executada por ordem de detentos do IAPEN.

Para a defesa, representada pelos advogados Sandro Modesto, Fernando Magalhães Silva e Fernando Magalhães Silva Júnior, os acusados são inocentes e não teriam tido participação na morte do agente penitenciário. Em sua tese, eles alegam omissão na apreciação de provas e testemunhas que poderiam levar a investigação em outro sentido.