“Bebeto”, “Chimpanzé” e “Junior Macaco” vão passar um tempo na cadeia.

0
1

Na última quinta-feira, dia 5 de abril, uma equipe da Companhia de Operações Especiais recebeu, via Centro Integrado de Operações de Defesa Social (CIODS), a informação de que havia acontecido um roubo, na casa de um policial militar, no Bairro dos Buritis. Os criminosos renderam a empregada doméstica e a filha do militar, utilizando de muita violência. Na ocasião, os criminosos subtraíram, da residência, um carregador de pistola com 10 (Dez) munições, do tipo “ponto40”, uma arma de pressão (similar a uma pistola), joias e bijuterias.

De posse das informações repassadas pelo CIODS, a equipe da COE, de imediato, foi até o local do roubo e falou com as vítimas e testemunhas próximas, além de visualizar imagens feitas pelo circuito de câmeras, fazendo com que se deduzisse que havia, durante a operacionalização do roubo, três criminosos. Feito isso, os policiais entraram em contato com moradoras de um apartamento, localizado em uma vila de apartamentos ao lado da residência roubada, onde ficou-se sabendo que duas das moradoras conheciam os criminosos, responsáveis pelo roubo: ambas mantinham relacionamentos com eles. Dessa maneira, os policias ficaram sabendo a identidade dos criminosos e quais lugares eles costumam frequentar, ficou-se sabendo, ainda, que os criminosos estiveram no apartamento em questão, no dia anterior ao roubo, com suas respectivas “namoradas”. Eles fizeram várias perguntas sobre a rotina da casa do militar, o que evidencia a intenção dos criminosos.

Os criminosos foram identificados como “Bebeto”, “Chimpanzé” e “Junior Macaco” e segundo uma das moradoras do apartamento, de prenome Franciene, o trio havia deixado uma porção de droga sob a guarda dela (13 porções de substância, supostamente, do tipo cocaína e 01 porção de substância, supostamente, Maconha), que seriam vendidas em uma casa de festa. Após isso, Franciene indicou, para os policias, endereços em quais o trio de criminosos costuma se reunir. Imediatamente, a equipe policial encaminhou-se à residência de Júnior Macaco, o qual, segundo vizinhos, acabara de sair. No entanto, foi feito contato com uma residente da casa de Júnior Macaco, de prenome Nívea, que franqueou a entrada dos policiais e os levou até o quarto do acusado, onde foi encontrado, por meio do auxílio dos cães farejadores do BOPE, arma de comprimido (similar a pistola) roubado da residência do policial, juntamente com 32 (trinta e duas) porções de substância, supostamente, cocaína. Além disso, na cozinha da casa foram encontradas mais 90 porções, da mesma substância citada anteriormente (cocaína).

A equipe da COE, ainda, encaminhou-se a outro endereço, indicado por Franciene, que seria a casa de Bebeto, no entanto, apenas o irmão do acusado se encontrava na residência, o qual reconheceu seu irmão (Bebeto), nas filmagens do roubo, mostrado por um dos policiais da COE. Diante dos fatos relatados, Franciene e Nívea, juntamente com o material apreendido, foram levadas para a Central de Flagrantes do Bairro do Pacoval, para que as providências necessárias fossem tomadas.

Deixar uma resposta

Por favor, inscreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui