Projeto Peixe Popular deve ofertar cerca de 150 toneladas de pescado na Semana Santa – Correio Amapaense

Projeto Peixe Popular deve ofertar cerca de 150 toneladas de pescado na Semana Santa

Além de Macapá, o pescado será comercializado nos municípios de Santana, Porto Grande, Serra do Navio, Laranjal do Jari e Vitoria do Jari.

 Foto: Maksuel Martins/Secom
Os pescados serão vendidos com 20% de desconto do valor atual

O Governo do Amapá deve ofertar, no período de 28 a 30 de março, cerca 150 toneladas de pescado através do Projeto Peixe Popular, durante a Semana Santa, nos municípios de Macapá, Santana, Porto Grande, Serra do Navio, Laranjal do Jari e Vitória do Jari. É nesse período que, tradicionalmente, os católicos substituem o consumo de carne, por peixe. E a Agência de Pesca do Amapá (Pescap), que executa o projeto, já se organiza para ofertar o pescado aos consumidores e fomentar a atividade pesqueira.

O gerente de aquicultura da Pescap, Jean Braga, informa que, como o período de defeso -época de reprodução dos peixes – acontece neste mês de março, as espécies que serão comercializadas na Semana Santa, são do mar e da criação em cativeiro.

Todos os produtores que participarão do projeto, receberão Equipamentos de Proteção Individual (EPI), que inclui camisa, avental, touca, luvas, botas, balanças e faca. A Agência de Pesca também disponibilizará caminhões frigoríficos para dar suporte aos agricultores nas vendas. “Todo o valor arrecadado fica com os empreendedores. Queremos priorizar os pequenos produtores de cada município”, explica o gerente de comércio da Pescap, Dalmir Farias.

Em Macapá, onde a demanda é maior, haverá diversos pontos de venda fixos e itinerantes espalhados nas zonas norte, sul, leste e oeste. Os caminhões ficarão disponíveis em frente à Feira do Produtor e Feira Maluca, no bairro Buritizal e nas feiras dos bairros Zerão, Pacoval, Araxá, Marabaixo, Brasil Novo e Novo Horizonte.

Projeto Peixe Popular

O Projeto Peixe Popular é uma ação continuada do governo do Estado, que visa fortalecer a atividade pesqueira junto às colônias, cooperativas e pescadores artesanais, além de oferecer à população um produto nobre da região com preço mais acessível.

Fernanda Picanço

About the author

Related

JOIN THE DISCUSSION