Segundo dia de seminário prioriza criação de protocolo de atendimento para adolescentes – Correio Amapaense

Segundo dia de seminário prioriza criação de protocolo de atendimento para adolescentes

Evento prossegue até quinta-feira, 28, com vários temas voltados à saúde das crianças e adolescentes.

 

 Foto: José Baía / Secom
Representantes de vários segmentos debateram a criação do protocolo de atendimento para os adolescentes

O I Seminário Estadual de Políticas Públicas Integradas de Saúde na Infância e Adolescência, discutiu nesta terça-feira, 26, no auditório do Museu Sacaca, a garantia da saúde sexual e reprodutiva para adolescentes.

Para isso, foram convidados representantes da atenção básica dos municípios, educação, assistência social, Poder Judiciário e estudantes da rede pública de ensino. O objetivo é que, juntos, possam desenvolver um protocolo estadual de atendimento para garantir que esses jovens tenham ciência dos seus direitos como cidadãos e possam acessar os serviços de saúde.

Além disso, foram discutidas ações de conscientização eficazes sobre saúde reprodutiva e sexual que considerem fatores sociais, econômicos, ambientais e culturais no meio em que os adolescentes estão inseridos.

A juíza Larissa Antunes, da Vara da Infância e Juventude da Comarca de Santana, explicou que é importante o envolvimento de todos os atores porque o trabalho com crianças e adolescentes é feito em rede e de forma multidisciplinar. “Essa conversa entre as instituições é muito importante para que a gente dê esse atendimento completo à criança e ao adolescente. Falando especificamente sobre a saúde sexual e reprodutiva, a gente precisa pensar que a escola deve ser inserida nessa discussão, quais são os direitos e as garantias que os adolescentes tem, aí entra a saúde, assistência social e Poder Judiciário”, ponderou a magistrada.

A estudante Beatriz Brito, 17 anos, acha importante que os jovens também possam ser ouvidos e façam parte da construção do protocolo de atendimento. “Acho interessante o protocolo de ter políticas voltadas para os jovens porque estamos tendo a oportunidade ter voz em um seminário como esse. É fundamental de ter leis específicas para nós, porque somos cidadãos e, assim como todos, temos que ter o nosso espaço na sociedade”, finalizou a adolescente.

Programação

Iniciado na segunda-feira, 25, o seminário reúne, até o dia 28, cerca de 200 profissionais que atuam nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), educação e de outros segmentos sociais que trabalham diretamente com a população na faixa etária de 0 a 18 anos.

Na quarta-feira, 27, o tema será o “Tratamento do Fumante na Rede do SUS no Estado do Amapá”. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) já desenvolve ações de prevenção e combate ao tabagismo, desde que uma pesquisa de 2015, do Ministério da Saúde, mostrou que 18,9% dos jovens amapaenses de 11 a 17 anos já tinham experimentado o cigarro.

No último dia serão dois eventos, no Museu Sacaca será o Seminário para Proteção de Doenças e Agravos Não Transmissíveis, para tratar da obesidade, da não atividade física, e mostrar o panorama de como está a situação no Amapá quanto a esses fatores de risco nessa população.

Simultaneamente, no Auditório do Sindicato dos Servidores Públicos Federais Civis no Estado do Amapá (Sindsep), acontecerá a “Oficina do Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 Anos: Incentivar, Proteger, Apoiar e Promover a Saúde e a Segurança Alimentar Dessa População”. Os participantes serão capacitados pelos técnicos do Ministério da Saúde sobre o guia. Também haverá uma roda de discussão para falar das diversidades locais, para criar uma identidade amapaense no guia, com alimentos regionalizados para atender a segurança alimentar dessa faixa etária da população.

O evento é organizado pela Coordenadoria de Políticas de Atenção da Sesa, com o apoio do Núcleo de Atendimento à Saúde do Educando da Secretaria de Estado da Educação (Seed), Secretaria Estadual de Inclusão e Mobilização Social (Sims), da Universidade Federal do Amapá (Unifap) e Centro de Apoio Educacional da Infância, Juventude e Educação (CAOP/MP).

About the author

Related