Selo Unicef: Encontro capacita municípios para o 1° Fórum Comunitário

0
20
Representantes dos 16 municípios apresentaram os resultados dos objetivos traçados no encontro realizado no fim do ano passado.

Nesta quarta-feira, 28, representantes dos 16 municípios do Amapá se reuniram na capital para a apresentação da metodologia do 1º Fórum Comunitário, uma etapa obrigatória para a realização da 3ª edição do Selo do Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef), em parceria com Governo do Estado do Amapá (GEA) e o Instituto Peabiru.

Trata-se da segunda etapa de capacitação para a realização do Selo Unicef. A primeira ocorreu nos dias 12 e 13 de dezembro de 2017 e reuniu representantes das 16 prefeituras do Estado. De acordo com o oficial especialista em saúde do Unicef e palestrante do encontro, Antônio Carlos Cabral, o Selo tem como objetivo garantir o direito das crianças e adolescentes amapaense.

“Vivenciamos o primeiro momento onde apresentamos a metodologia do Selo e agora vamos apresentar de que forma vamos trabalhar a realização do 1° Fórum Comunitário nos municípios, que precisa ser realizado até junho deste ano”, explicou Cabral.

O Fórum Comunitário é uma das questões obrigatórias que o Selo exige e garante a participação da sociedade nas discussões para a construção do mesmo. “É preciso que se fortaleça as políticas públicas existentes nos municípios. Essas políticas precisam ser qualificadas de forma a colocar crianças e adolescentes como prioridade absoluta”, destacou o representante do Unicef.

Outro assunto discutido foi a intersetorialidade, um dos pontos apresentados durante o encontro do ano passado e que os representantes dos municípios levaram para implementarem nas suas gestões.

O encontro também serviu para que os municípios recebessem a linha de base contendo 11 indicadores que serão trabalhados nesta edição do Selo. O representante do Unicef explicou que trata-se de uma avaliação atual de cada município que serão agrupados de acordo com as características semelhantes. “Não podemos, por exemplo, comparar a capital, que está no Selo, com o município de Oiapoque. As realidades são bastante diferentes”, exemplificou.

A partir destes indicadores, será feita a média que mostrará a situação de cada município dentro do grupo. As cidades que estão abaixo da média do grupo serão sinalizados como vermelho, ou seja, indicador está abaixo da média. O objetivo é reduzir as desigualdades de forma relevantes.

A adesão ao Selo Unicef iniciou em 2017, com o processo de adesão de todos os municípios e seguirá pelos próximos três anos de gestão municipal. Durante esse tempo, o Unicef estará capacitando, participando das discussões, monitorando e avaliando. “Os municípios que conseguirem de fato modificarem seus indicadores, que desenvolveram atividades que mudaram, que transformaram a vida de crianças e adolescentes eles receberão a certificação internacional, que no caso é o Selo Unicef”, concluiu Cabral.

A secretaria de Estado de Inclusão e Mobilização Social, Nazaré Farias, destacou o comprometimento do Estado neste apoio e monitoramento dos municípios na execução das ações. “O Estado vem dando suporte aos municípios através dos programas sociais do Estado, mas também no apoio através do termo de colaboração onde o Estado entra com uma contrapartida, seja na estrutura física, seja de pessoal, num trabalho conjunto visando alcançar os resultados com mais rapidez”, destacou.

Um dos representantes do município de Santana, Nilson Chagas, que participou do primeiro encontro, ressaltou que o município vem trabalhando para continuar com a certificação, que recebeu juntamente com outros três municípios do Estado durante a última realização do Selo Unicef, entre os anos de 2012 e 2016. “Já estamos desenvolvendo trabalhos na área de educação, saúde e assistência social com o objetivo de garantir os direitos de nossas crianças e adolescentes. Já estamos com os grupos de trabalho formado, os grupos intersetoriais já estão sendo montados e a nossa expectativa é grande em mantermos este selo em nosso município”, frisou.

Ailton Leite

Artigo anteriorCompetidores do Amapá , fazem bonito no Rio de Janeiro
Próximo artigoforça-tarefa em Bailique
Avatar
No momento em que a mídia tradicional está desacreditada e o jornalismo convencional enfrenta uma crise ética nunca vista, o Correio Amapaense apresenta sua revista eletrônica que promete fazer a diferença no quesito informação. Trata-se de nós, Correio Amapaense, cujo objetivo é discutir de forma crítica os problemas do nosso Estado, Cidade e País.