Veja a lista de outros condenados pela Lava Jato em segunda instância que podem se salvar caso o STF decida a favor de Lula

0
8

Brasília, Distrito Federal — O julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula no Supremo Tribunal Federal, previsto para hoje, será acompanhado pelo Brasil todo e especialmente por outras dez pessoas condenadas em segunda instância na Operação Lava Jato que também estão prestes a serem presas.

O Congresso em Foco informou: “A expectativa dos condenados é que o Supremo livre o ex-presidente do cumprimento imediato da prisão, decisão que abriria caminho para que eles obtivessem o mesmo benefício enquanto o tribunal não rediscute se condenados em segunda instância devem começar a cumprir logo sua pena.”

A Folha de S. Paulo fez um levantamento dos maiores interessados no resultado do julgamento do HC de Lula no STF.

Confira:

Réus soltos já julgados em 2ª instância e que podem ser presos com o esgotamento de recursos

– Alberto Vilaça Gomes, ex-diretor da Mendes Júnior
– Dario de Queiroz Galvão Filho, ex-presidente da Galvão Engenharia
– Enivaldo Quadrado, doleiro
– Erton Fonseca, executivo da Galvão Engenharia
– Fernando Moura, empresário
– João Cláudio Genu, operador do Partido Progressista
– José Dirceu, ex-ministro
– Jean Luscher Castro, executivo da Galvão Engenharia
– Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente
– Rogerio Cunha Oliveira, ex-diretor da Mendes Júnior
– Sergio Cunha Mendes, ex-vice-presidente da Mendes Júnior

Réus da Lava Jato que estavam soltos e foram presos após esgotamento de recursos na 2ª instância

– Waldomiro Oliveira, ex-auxiliar de Alberto Youssef
– Márcio Bonilho, representante da empresa Sanko Sider
– Agenor Franklin Medeiros, ex-executivo da OAS
– Jayme Alves de Oliveira Filho, ex-agente da PF
– Luis Eduardo de Oliveira e Silva, irmão de José Dirceu
– Julio César dos Santos, ex-sócio de José Dirceu
– Leon Vargas, irmão do ex-deputado André Vargas
– Ricardo Hoffmann, publicitário
– Gerson Almada, ex-sócio da Engevix

E ainda há outros réus condenados em segunda instância que estão na cadeia devido a ordens de prisão preventiva expedidas anos atrás, como o ex-deputado Eduardo Cunha e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari.

Luciano Ayan