VÍDEO IMAGENS FORTES ‘Desumano’, diz delegado sobre estado de menina de 9 anos abusada em Maracanã

0
7952

Criança foi encontrada desnutrida, com incontáveis hematomas e vítima de um possível abuso sexual praticados pelo próprio irmão e a esposa

Ana Carolina Matos

A menina de 9 anos encontrada com aspecto de desnutrição, incontáveis hematomas e vítima de um possível abuso sexual em Maracanã, no nordeste paraense, está agora sob a tutela do Estado. Achada por populares na rua quase sem roupas e extremamente machucada na última sexta-feira (17), por volta das 4h da manhã, a criança tinha os cabelos raspados e estava completamente suja.

Agora, a vítima está recebendo os cuidados necessários e sendo acompanhada pelo Conselho Tutelar de Maracanã, segundo informou o superintendente da Polícia Civil de Castanhal, Paulo Henrique Junior.

A menina relatou que sofria agressões constantes de José Aliel Souza da Costa e a esposa, Ilda do Espírito Santo, a quem chamava de tio e tia. Apesar disso, o acusado é, na verdade, irmão biológico da vítima. O casal foi autuado e preso em flagrante e deve responder pelos crimes de estupro de vulnerável, maus tratos e abandono material de incapaz. Ainda não há informações precisas sobre o paradeiro dos pais biológicos da menina.

O superintendente explica que tão logo a criança foi encontrada e o delegado Marcelo Rui, de Maracanã, tomou conhecimento da situação, as equipes da Polícia Civil de Castanhal também foram acionadas. “Rapidamente providenciamos uma ação conjunta com a Polícia Militar para prender os malfeitores desse caso extremamente desumano”, detalha Paulo Henrique Junior.

De acordo com o superintendente, o estado em que a criança foi encontrada era extremamente delicado. “Ela foi achada com poucas roupas no corpo, toda marcada, lesionada e com vários hematomas pelo corpo. Como dá para ver, até as costelas dela estavam em evidência, por conta da desnutrição”, relatou.

A situação, inclusive, chocou tanto os populares quanto os agentes da Polícia Civil envolvidos no caso.”Ficamos todos estarrecidos. Mexe muito com a gente, principalmente quando temos filhos nessa idade. Até para nós, que estamos acostumados a lidar com a violência, é muito complicado e triste acompanhar um caso desse”, explicou.

A criança foi encaminhada ao Instituto Médico Legal (IML) de Castanhal, onde passou por um exame de corpo de delito. O Ministério Público do Pará acompanha o caso. Em nota, a Polícia Civil do Pará informou que o caso vai ser investigado sob sigilo.